segunda-feira, julho 25, 2011

DE ONDE EU SOU?

Perguntaram, de supetão, de onde eu sou. Não soube responder de pronto. Pensei um pouco e o pouco que eu pensei foi muito pro sujeito, que desconversou e depois foi embora.

Eu sou da Estrada Velha, da Cidade Nova, da rua Bela, do Engenho do Mato. Sou da Leopoldina, da Linha Auxiliar, do Amorim e do Mandela.

Sou da Zona Norte, sou do Subúrbio da Central. Sou da Ilha, do Galeão, da Cambaúba, Praia da Bica. Jardim Carioca, rua Adélia. Sou do Cacuia, Cocotá, Tauá, Bancários, Freguesia, Bananal, INPS, 200 - preço do ônibus!

Sou de Madureira, do Mercadão, do Polo 1, cinema no Shopping São Luis. Sou da quadra do Império, da Estrada do Portela, da Carolina Machado, viaduto Negrão de Lima.

Sou da Meriti, de Vila Kosmos, Praça Aquidauana, da Santa da rua Aiera. Sou da Marco Polo, do Largo do Bicão, da rua Tejupá, da Escola Grécia.

Sou da São Félix, da Lona João Bosco. Sou da Padre Roser, da Paratinga, da Vila Pureza. Sou de Irajá, do cimento branco, do Pau Ferro, Honório de Almeida, rascunhei uns sambas por lá.

Sou de Vicente de Carvalho, bacalhau do Neca, Igreja do Carmo, matinê do Mello, tirava onda, peitoral malhado. Sou de Vaz Lobo, antigo Barros Nascimento, pertinho do Carmela Dutra, muita coxa grossa, me fiz homem por lá.

Sou da Penha, rua Augusto Zanoni, da Lobo Junior, calcinha no outdoor. Sou de Brás de Pina, Arapogi com Francisco Enes, rua Suruí, Mangueirinha.

Sou de Manguinhos, 903, Leopoldo Bulhões, Barbearia do Manel, deixei muito cabelo lá. Tia Janete, Sizenando Nabuco, caminhão do Mozart, terreiro do velho Vieira - seu Pedra Preta dono do Gongá. Sou do Poli, da Fiocruz, fiz muito amigo lá.

Sou do Engenho da Carlota Joaquina desde molequinho. Do Prev, dos Bancários, da pedreira, do Marronzinho. Sou do Conjunto dos Músicos. Pixinguinha, Dona Ivone e Bide também são. Assim como Mestre Marçal, Almir Guineto, Zé Kéti, Baianinho e Jamelão.

Sou do Méier - quem é de lá não bobéier. Don Chopp, Aristides Caire, Dias da Cruz. Arquias Cordeiro, rua Soares, 3 anos no Visconde de Cairu. Imperator, Hermengarda, Pedro de Carvalho, sou da Boca do Mato.

Sou do Arranco do Engenho de Dentro, Adofo Bergamini, rua Pernambuco, Daniel Carneiro, Clarimundo de Melo. Sou do Engenho Novo, Dona Romana, Grão Pará e Cabuçu.

Sou de Cascadura, do Sargento, Ernani Cardoso, Sidônio Pais, sou da Mendes de Aguiar. Sou do Rocha, da Ana Néri, Dr. Garnier. Sou do Jacaré, rua Lino Teixeira, mamãe nasceu lá.

Sou de Honório, Bento Ribeiro, rua João Vicente - tanto casarão bonito. Sou da Intendente, das flores do Valqueire.

Sou do Campinho, rua Maria José, Praça Seca e Largo do Tanque - caminho antigo da Barra sem Linha Amarela. Sou da Freguesia, Geremário Dantas, Três Rios, Gabinal.

Sou de Cavalcante, da Silva Vale e da Laurindo Filho, a rua da feira: Sergio Cabral (o pai) nasceu por ali. Sou da Suburbana, Cachambi, rua Garcia Redondo - meus padrinhos moravam lá.

Sou de Pilares, Abolição, ladeira do Rei do Bacalhau. Piedade, Gama Filho, São Jorge Guerreiro de Quintino, minha catedral.

Sou do Quitungo, Shopping 3000, Palanca Negra, moela com pimenta e roda de viola no terraço do Cabeça. Sou de Realengo, Lona Gilberto Gil, Avenida Santa Cruz, Pedra Branca, praça de Bangu. Já morguei no sete-sete e no nove-dezessete. Acendi vela no Murundu.

Também sou da Tijuca, dos Barões. São Francisco, Mesquita, Itapagipe, Iguatemi e Drummond. Sou da Conde de Bonfim, da Guaxupé, sou do Rio Maracanã. Sou do Rio Joana e do Trapicheiros. Sou da Xavier de Brito, do Momo, do Pavão. Gabizo, Heitor Beltrão, Haddock Lobo, Almirante Gavião.

Sou da Pavuna, de São João, Tomazinho. Nilópolis via Rio do Pau. Sou da rua Carmela Dutra, sou da Mirandela, do buraco da estação. GP Haroldo Barbosa, Olinda, Lona Carlos Zéfiro de Anchieta, via Ricardo. Nova Iguaçu, Comendador Soares (heptavô dos meus filhos), Morro Agudo. Já joguei bola por lá.

Sou do Largo das Cinco Bocas, da rua Barreiros, Veterinária Lassie, clínica Balbino. Rua Firmino Gameleira, é de lá que vêm os Moreira. Rodoviária de Caxias, parque Araruama. Jardim América, rua Atílio Parim. Ralaram muito pra eu estar aqui.

Sou da Praça das Nações. Paris, Londres, Bruxelas e Nova York. Sapataria Elite, Bolinho de Bacalhau no Capelinha, na Cardoso de Moraes, força do hábito do meu avô, o velho Dutra de Moraes.

Sou da Estrada da Itaoca, do Itararé, rua Régio. Praça de Inhaúma com a Anastácia na mordaça, padre Januário, Canitar, rio Faria Timbó.

Sou da Vila, do Boulevard, da Praça 7. Geografia na UERJ, meu peito é verde e rosa. 24 de maio ou Radial Oeste. Sou da Praça da Bandeira, rua do Matoso, galeto com cerveja melhor não há.

Sou dos becos por onde andei e dos lugares por onde amei.

Sigo a bússola. Meu caminho é a Zona Norte. Sou do Rio de Festas, Macumbas, Entrudos e Bruxedos. Sou do Rio sem postais, dos safáris dos desbravadores de além-túnel, da pelada no campinho de terra.

Sou de onde vem o ziriguidum da cidade-mulher. Eu sou do subúrbio do Rio de Janeiro.

Até!

15 comentários:

Thiago Braga disse...

CARALHO! PUTA QUE PARIU! QUE TEXTO, DIEGÃO! QUE TEXTO!

Luiz Antonio Simas disse...

Saravá!!!

Anônimo disse...

Du( com u mesmo) caralho.... Henrique

leo boechat disse...

O melhor é que eu sou de Botafogo e bebemos cerveja junto! Abraço

Filipe disse...

"Sou do Rio sem postais, dos safáris dos desbravadores de além-túnel". Sem mais! Axé!

Rafael Verdejar disse...

Que texto lindo Diego! Também sou 90 % destes parágrafos!
Que orgulho do subúrbio e dos suburbanos!

Muito obrigado

ELZerfas disse...

Sá menino!
o texto é lindo!!!
Parabéns!!!!
A ladeira do rei do bacalhau se chama Guilhermina e faz esquina como a Mario carpente, e eu morei na rua de baixo na teixeira de azevedo no famoso bairro do Encantado!
vou copiar e distribuir !!!!

Larissa disse...

Muito bonito. Alguém tem que lembrar que há vida (muita) do lado de cá do túnel.

Adailton disse...

Parabéns, Filipe, muito bom o seu texto: um grau a mais no Rio 40, uma lado “maravilha” da Cidade contado no caos carioca da lembrança.

Vitor L disse...

Ducaralho!

Anônimo disse...

Diegão,
Belo texto. Parabéns! Inspiradíssimo.
Beijo. Fê.

Anônimo disse...

Simplesmente foda Diego!!
Emano.

José Eduardo disse...

Grande Amigo Diego! Seu texto é excepcional e você consegue descrever bem de onde é. Não deixa dúvidas. Agora entendo melhor o porquê estou me sentindo perdido e vivo me dizendo: este não é meu lugar...
Vamos marcar uma cerveja, mas aí, de onde somos, porque já estou com muita saudade de minhas origens.
Grande abraço!

Yvy disse...

Que roteiro...então você é cigano ou marinheiro caminhando onde os ventos não tragam tanta poeira. abr.

Mariana Terra disse...

lindo, lindo, lindo! diga-me que o senhor ainda vai continuar a atualizar este blog?! por favor! ganhastes mais uma seguidora agora...