domingo, setembro 20, 2009

PAPO DE SUBURBANO - ARMANDO UM CHURRASCO

- Então, meu cumpadi. Será que a gente pode sentar agora e fechar a lista das coisas que a gente vai botar nesse churrasco?

- Peraí...

- Porra.. Se depender de você esse churrasco só sai ano que vem, cumpadi. Qual foi agora?

- Pô, cara... Tu é estressado pra cacete, hein! Tu não tá vendo que eu tô no celular? To desenrolando com uma mina aqui, pô! Peraí que eu já vou...

- Lerdo pra caralho... Nunca comeu ninguém e agora vem com esse papo de mina. Aí, ele é cabaço, hein! Tá me escutando, filé? Não pega, não!

- Qual foi, parceiro? Tá querendo me queimar? Querida, depois eu falo com você, tá bom? Um beijo...

- Até que enfim!

- Porra... Chato pra caralho, você, hein...

- Vambora fazer essa merda dessa lista que o Aluízio precisa ir logo no mercado pra comprar as paradas.

- E porque que ele tá com essa pressa toda que eu não posso nem desenrolar com uma mulezinha?

- Porque o churrasco é amanha e a irmã dele vai casar hoje, cara. Ele ainda tem que meter uma beca.

- E quem é o péla-saco que vai casar com a gostosa da irmã do Aluízio.

- Não sei, só sei que nasceu virado pra lua o sortudo. Mas vamo fazer a porra da lista!

- Tá. Quanto de cerveja?

- Doze caixas.

- Tá. Daquelas com 12 latinhas, né?

- Claro que não, muleque! Daquela com 24 garrafas! É óbvio!

- Que isso, cara! O churrasco deve ter no máximo umas 30 cabeças!

- E tu acha que é pouco? Esses caras são tudo esponja, rapá. Absorve a cerveja todinha, e quando tu vê, já era...

- E doze caixas de 24 garrafas dá quantas cervejas pra cada um?

- Pô, muleque! Tu acha que eu sou matemático? Eu sou é cachaceiro, porra! Faz a conta aí, você, pô!

- Peraí... Doze vezes vinte e quatro... se doze mais vinte e quatro dá trinta e seis, doze vezes vinte e quatro deve dar 360.

- Caralho, tu é burro pra caralho, hein!

- Porque? Tá certo, porra!

- Que certo é o caralho!..

- Dá quanto então?

- Não sei! De cabeça eu não sei, só no papel...

- Muleque, que série que tu parou?

- Ahn?

- Que série que tu parou na escola?

- Parei na sexta, e tu?

- Parei na quarta...

- Então cala a boca que eu sou mais inteligente que você.

- Ah, vá tomá nesse teu brioco!

- Seu burro, me dá um papel aí, vai. Pega um papel pra eu fazer a conta.

- Escreve nesse aqui. Toma.

- Vamo ver quanto dá... É... Acho que...

- Quanto dá?

- 288

- Aí, é cerveja pra caralho!

- Que nada! Não dá nem dez garrafas pra cada um! E tu ainda não conhece o meu primo Marcinho. Ele bebe as minhas dez, as tuas dez e as dez dele. Só depois ele pára pra dar uma mijada. Depois continua bebendo.

- Tá, 12 caixas com 24 garrafas. Fechado. E a carne?

- Peraí, tu esqueceu o refrigerante!

- Pra que, essa merda?

- Tem gente que não bebe, cara!

- Tá, bota quanto?

- Quatro garrafas de 2 litros tá bom.

- Beleza, agora a carne!

- Anota aí.

- Ahan, pode falar.

- 5 kg de linguiça...

- Ahan

- 5 kg de alcatra...

- Só isso?

- O churrasco é pra gente beber ou encher o rabo dos outros?

- Tá, que mais?

- 4 kg de asa...

- Ahan

- 1,5 kg de coração...

- É muito.

- Porque?

- Metade da galera é do santo. Povo do santo não come os axés.

- Como assim axés?

- Axé, cara. Sei lá. Só sei que eles não comem coração.

- Quanto, então?

- Meio quilo é coração pra caralho. Tá bom demais.

- Beleza, menos um dinheiro.

- E o que mais?

- 1,5 kg de fígado de boi...

- Bom pra cacete!

- É. Bom e barato.

- O que mais?

- 20 pães franceses.

- Ué? Pra que?

- Cala a boca e escreve essa porra...

- Cara, antes que eu me esqueça...

- Ahn?

- Não fode.

- Tá, onde é que eu tava?

- 20 pães franceses...

- Tá. Anota aí, então, uma cabeça de alho e um pote pequeno de maionese.

- Pro pão de alho? É isso?

- É.

- Ahan... Que mais?

- 2 kg de jiló.

- Caralho, um jilozinho na brasa...

- Com queijo ralado por cima...

- Só aqui no subúrbio! Nunca vi jiló em churrasco na Barra!

- Bota aí 3 pacotes de queijo ralado.

- Tá. E o carvão?

- Anota aí 3 sacos e uma garrafa de álcool pra dar uma pressão.

- A churrasqueira é boa?

- Pra chuchu.

- Tem aqueles furinhos embaixo?

- Tem, pô.

- É aberta lá embaixo, na base?

- Claro! A churrasqueira é do caralho, cara!

- Então não precisa de muito álcool, não. Só um pouquinho no início. Eu tenho isso lá em casa.

- Tu leva?

- Levo, pô. Tranquilo.

- Tá. Agora o som.

- Pô, não te falei?

- O quê?

- O Torrado e o Carcará vão trazer banjo, cavaco e ainda vão arrastar o Jorge Bocão, o Minuca e o Remela pra batucar.

- O Minuca vem?

- Vem, pô! To te falando...

- Então ele vai trazer a cachaça lá da Mem de Sá.

- Ora ora...

- E quem é esse Remela?

- Lembra não? Remela, pô. Primo do Xandinho. É aquele muleque doente, que o olho dele não para de sair remela o dia inteiro...

- Ah! Pode crer! Mas, então vai ter batucada, é certo?

- Já tá! É só torcer pra fazer calor pra mulherada vir menos vestida e beber mais.

- Beleza! O resto, a cerveja, o churrasco e a batucada já tão garantidos.

- Muleque, é o filé me ligando de novo. Não posso dar mole...

- Vai... Vai... Vai ver se tu perde esse cabaço!

2 comentários:

Ana Carolina disse...

mto bom, como sempre!

ps. sorte q vc não faz churrasco.

Diego Moreira disse...

Tô querendo fazer um no dia 5 aqui em casa. Você vem, Carol?