sábado, junho 20, 2009

RACISMO, PRECONCEITO E O APARTHEID

No ano de 2005 meu mano Claudio Falcão adquiriu no sebo de dois grandes amigos um livro indicado por eles sobre o infame regime do Apartheid. Ao venderem-lhe o livro eles alertaram-lhe quanto a existência de anotações do antigo dono ao longo da obra. O livro é bom, mas o que mais nos impressionou foram os comentários feitos pelo antigo dono, que revelou-se um resoluto racista pelo teor de suas anotações. Claudio mostreu-me o livro, e eu o estimulei a escrever sobre essa questão. Ele, então, convocou-me às canetas e o resultado é o texto que publicamos juntos agora.

--

O apartheid: poder e falsificação histórica, é o título do livro escrito pela francesa Marianne Cornevin e editado pela Unesco em 1979. O livro conta o absurdo do apartheid, seu funcionamento e suas origens. Ao longo do texto a autora faz pesadas e fundamentadas criticas ao regime do que imperou na África do Sul até 1990. A obra reflete as criticas mundiais e o início do movimento internacional que levou ao fim deste regime execrável.

O antigo proprietário do livro comprado no sebo tinha um hábito, comum a muitas pessoas, de comentar as ideias expostas no texto original, criticar e argumentar com o autor em anotações no final das páginas.

O verme (vamos nos referir ao indivíduo sempre por este adjetivo) era, definitivamente, um imbecil, um preconceituoso e um defensor ardoroso da segregação racial. Certamente, uma mentalidade obtusa, encantada pelos pressupostos de teorias pseudo-científicas como o determinismo geográfico e o darwinismo social. Para provar isso vamos reproduzir alguns trechos do livro e os respectivos comentários feitos por ele.

O primeiro comentário, feito logo na capa do livro, é o seguinte:

Esta é uma obra absurda pelo contra-senso de seus argumentos pretendendo condenar os atos de um povo que conquistou seus direitos com o próprio sangue. Esta autora deve ser uma fanática comunista, ou uma liberal vendida aos interesses do comunismo internacional, que no momento luta para conquistar as riquezas do sul da África, usando a bandeira dos direitos humanos da negritude. Felizmente não passa de um sonho, um sonho tolo.

Na contra-capa o verme faz o seguinte comentário:

Sistema muito usado na leitura periódica da Enciclopédia Soviética - reescrever a história de acordo com os interesses do momento. Aliás já estão aplicando este sistema aqui no Brasil, na tentativa de reescrever nossa história, maculando a memória de nossos antepassados - tal como Domingo Jorge Velho - o vencedor da "república" dos Palmares. Ali ele liquidou a negrada que tentava se arvorar em fundadores de uma república negra. Que os brancos, orgulhosos de sua condição como tal, não se deixem engodar por tais idiotices.

No primeiro capitulo o livro mostra, através de dados e informações arqueológicas, o óbvio: que os negros ocupavam o sul da África muito antes dos brancos europeus chegarem. Na página 79 o verme faz o seguinte comentário:

Muito bem, admitamos que os negros tenham chegado primeiro. E dai? Os nossos índios também estavam aqui antes de nós, mas a terra foi ocupada pelos nossos antepassados brancos por direito de conquista. E quem vai contestar esse direito? O mesmo se aplica a África do Sul.

O verme desqualifica a autora com um comentário que só não omitimos para que todos tenham noção de como, verdadeiramente, trata-se de um estúpido. A besta-fera diz o seguinte:

Essa autora, como uma boa francesa, naturalmente, deve dormir com algum negro. As mulheres francesas tem dado ao mundo inúmeros exemplos desta tendência a deitar com negros, faz parte da sua mente devassa.

Na página 140, no último paragráfo a autora diz, com absoluta razão e quase profeticamente, o seguinte:

Os ventos da história mudaram desde Soweto. Os brancos deixaram de ser os senhores absolutos da história da África do Sul. Embora o poder governamental pareça assegurado por muitos anos, o negros já ergueram a cabeça. Afastaram o sentimento de inferioridade que constituia sua fraqueza. A pressão internacional apenas acelerará a sua emancipação inevitável.

Então o verme escreve o último comentário que publicaremos para não cansar os leitores, ou não provocar o vômito em outros:

Será mesmo? Isto é o que desejam, mas não o que será. E, então, ficará provado inexoravelmente a superioridade dos brancos sobre os negros. Não é número que conta, mas o valor, como sempre aconteceu os brancos sempre serão os vencedores. Esta autora é uma sonhadora (...) Os negros ergueram a cabeça? Pois é, ergueram para que seja mais fácil decepá-la. Os negros jamais conseguirão dominar a África do Sul. Os brancos da Rodésia eram somente 250000 e davam surras memoráveis nos negros, que eram 6 milhões. De uma vez, apenas 72 brancos atacaram 5000 negros e mataram 1200, tendo somente do seu lado 5 feridos. Agora, imaginemos 5 milhões de brancos, dispostos a tudo, contra 17 milhões de negros. Será ou não será uma sopa?

Para nossa felicidade, a história nos mostrou que o verme estava errado!!!!

Ao ler esses comentários, quisemos não acreditar no absurdo das suas idéias. Mas o que nos assustou, o que nos arrepiou, foi saber que o antigo dono (o verme), era um juiz aposentado, morador do bairro da Tijuca, no Rio de janeiro, sujeito de classe média alta. Por ocasião do seu falecimento a família vendeu para diversos sebos a sua biblioteca, e foi assim que o livro chegou até nossas mãos.

É inevitável refletirmos sobre qual teria sido o destino de negros que tenham tido o azar de serem julgados em qualquer tribunal do país por este crápula. Publicamos este comentário afim de mostrar como o preconceito e a intolerância ainda existem. Para que não restem dúvidas e para provar que essa história absurda não é uma inveção de nossas férteis mentes, colocamos as imagens das anotações feitas pelo verme. Veja, você, leitor, com os próprios olhos.

Basta clicar aqui no link abaixo para ver as fotos na publicação do texto no blog do Claudio Falcão:

http://geogordo2.blogspot.com/2009/06/racismo-preconceito-e-o-apartheid.html


Quem quiser ver o livro é só falar com ele.

3 comentários:

Bruno Ribeiro disse...

Querido, esta é uma das coisas mais medonhas que li ultimamente! Fico imaginando como é que este homem chegou a ser um juiz! E mais: como é que este verme vivia no Rio de Janeiro, terra cuja cultura de seu povo é indisucutivelmente africanizada. Resta o consolo da certeza de que este homem levou uma vida infeliz e foi, provavelmente, um velho amargo, desprovido de beleza, amigos e sabedoria.

Diego Moreira disse...

Subscrevo-me ao seu comentário, Bruno. Abraço!

Arnaldo disse...

O duro é quando vermes como esse, mais do que escrever comentários no livro que está lendo, encontram espaço na mídia pra expressar essse pensamento. Infelizmente, o mundo está infestado de caras assim. E cada vez mais, isso não incomoda muita gente.