sábado, janeiro 05, 2008

E MAMÃE FEZ ANIVERSÁRIO

Mamãe fez aniversário nesse último dia quatro de janeiro. Depois de um 2007 dificílimo, em que cumpriu a tarefa de entregar seu pai, no dia dos pais, ao verdadeiro Dono, 2008 chegou trazendo alegrias. Entramos juntos no novo ano e foi aqui em casa que ela passou os primeiros dias.

Na quarta-feira, dia 2, enquanto eu ia a Niterói, pra trabalhar, a Dona Maria Luiza saiu com a minha digníssima esposa pra um passeio no Centro do Rio. Aula marcada para as 3 horas, mas ninguém apareceu. Esperei até três e meia e pulei fora.

Ligo pra patroa:

- Já estou saindo. Onde vocês estão?
- Aqui no (Museu) Histórico Nacional. Vem de Barca que a gente te encontra aqui na Praça Quinze.
- Então tá.

Cinco minutos depois a patroa me liga - incrível como ela não consegue falar tudo de uma vez...

- Já tá chegando?
- Como assim? Ainda nem cheguei nas barcas...
- Eu tava pensando...
- Ahn...
- Ali na saída das barcas é meio confuso... A gente pode se encontrar em frente ao Paço Imperial?
- Não. É melhor vocês me esperarem ali no Arco do Telles.
- Tá bom. Beijo.

Apenas cinco minutos depois...
- Já tá chegando?
- Não. A barca vai sair às quatro horas. Quatro e quinze eu estou aí.
- Tá bom. Beijo.

Em menos de cinco minutos...

- Já tá chegando?
- Não! Quatro e quinze eu estou aí! Tá bom?
- É que...
- Tá bom?
- Ah, tá bom. Beijo.

Desço da Barca e caminho em direção ao ponto de encontro e dou de cara com as minhas senhoras fazendo uma fezinha no bicho, um hábito que minha mãe cultiva desde o tempo da quinta coluna...


Jogo cercado pelos sete lados, partimos. Entramos pelo arco do Telles e saimos na Ouvidor. Mamãe ficou tentada em sentar no bar do Santos mas já passava das quatro e ninguém tinha almoçado. A fome estava violenta. Ao passar em frente a Livraria Folha Seca, apontei-a pra minha mãe qualificando-a como a mais carioca de todas as livrarias, o que não é novidade pra quem conhece o lugar.

Lá de dentro, Rodrigo Ferrari, dono da livraria, fez um sinal. Entrei. Apresentei a Mamãe e a digníssima e, num papo rápido - a fome continuava violenta - o Digão, como é conhecido, recomendou um almoço no Restaurante Antigamente, bem próximo à livraria. E Fomos.

Mamãe ficou encantada. Pra mim, uma alegria. E a sensibilidade da minha patroa captou algo que gostamos muito no lugar. A presença do guerreiro, como nos bons bares e restaurantes de antigamente...

Caimos dentro, os três, do Filet à Rua do Ouvidor. Quem pode negar Arroz, Feijão, Farofa, batata frita, um belo bifão e ovo frito? Alguns chopps e refrigerantes, um papo com o pessoal da casa, que é de uma simpatia enorme, a conta e saimos. Levando um galhinho de arruda atrás da orelha, mais uma gentileza do pessoal da casa, pra depois ir dar uma olhadinha na igreja da santa cruz dos militares.


Mas foi no dia quatro que ela teve sua maior alegria. Receber os amigos em casa pra comemorar o seu aniversário. E como excelente anfitriã que sempre foi, recebeu os amigos que apareceram com um rodízio de pizza histórico.

Um sufoco pra sair o primeiro tabuleiro. Vinte e duas pessoas na sala com 18 metros quadrados, num calor que é a expressão mais fiel do verão clássico que se apresenta ao carioca nesses dias, somado ao calor do forno ligado e, mesmo assim, ninguém, rigorosamente ninguém, sequer ameaçou ir embora antes de provar (ou devorar?) as pizzas, que quando começaram a sair, vieram aos montes.

Todo mundo em cima dos tabuleiros, gente se estapeando pelo maior pedaço e teve até quem brigasse por uma rodela a mais de linguiça calabresa. A de carne seca sumiu. Foi eliminada em centésimos de segundos por selvagens famintos. E nada disso era para inesperado. A massa preparada pela minha velha é de respeito e já tem fama, não só na família, bem como internacional, sendo admirada na Sicília, na Calábria e em Puglia. Saca só!

No meio da festa, exibi o filme que eu produzi com a ajuda da patroa e da minha irmã, contando a história da vida de minha mãe. Usei fotos antigas, dela e da família, pra compor um roteiro cronológico, desde sua infância, passando pela adolescência, a juventude e a maternidade até os dias atuais. Ela ficou emocionadíssima, e eu, que trabalhei madrugada a dentro nesse projeto, fiquei ainda mais emocionado com a satisfação dela. Aqui, deixo a foto da juventude da minha digníssima mãe. De todas, a que mais gosto.

Um abraço!

8 comentários:

Larissa disse...

Irmão meu!!

Que coisa linda esse post. Adorei o vídeo, adorei as fotos, adorei tudo. te amo!

Luiz Antonio Simas disse...

Cumpre dizer que só faltou que a fé no bicho fosse feita no Salvador, que faz ponto em frente a Folha Seca, para que a ronda na Ouvidor fosse completíssima. O Antigamente, agora sob direção do portuga Carlinhos Laguna, melhorou muito.
Saudações aos Moreira e feliz 2008!

Diego Moreira disse...

Pois é, garota. O vídeo deu trabalho mais saiu.

Com certeza, Careca. Quando cheguei e tirei a foto do texto, a fezinha já estava sendo rabiscada. Mas não nos faltará a oportuna de fazer uma fé no malandro maneiro da Ouvidor.

Saldações e Feliz 2008

Arnaldo disse...

Diego,

Adorei o bifão. Você sabe que eu não resisto a um destes.

Diego Moreira disse...

Arnaldo, espere pra ver o que traçamos em BH.

Luís Campos disse...

Axé para a grande ekede tia Luiza... Não estive presente na orgia alimentar, mas não faltarão oportunidades de participar de futuras... Quanto as fotos, no caso na última, é incrível as mil faces engraçadas que a mazinha tem... Vc fotografou a identidade dela... Prazer estar aqui, um beijo

Diego Moreira disse...

Não faltarão!
A Mazinha é a (minha) Rainha das caras e bocas engraçadas. Adoro, definitivamente, todas as suas expressões.
O prazer é meu, beijo!

FINA FLOR disse...

o Rio é um surpresa a cada esquina, né?

parabéns atrasado na mamãe :o)

obrigada por sua gentil visita e desculpe-me a demora em responder, mas minha vida virtual anda meio enrolada, rs*.

volte sempre que quiser ao Fina Flor.

beijos e bom começo de ano,

MM.