quinta-feira, setembro 04, 2008

O GOL QUE O LÉO MOURA NÃO FEZ

Os jogos do rubro-negro da Gávea não têm sido para torcedores cardíacos e vêm deixando os torcedores mais fanáticos hipertensos, até os que não são. E na noite de ontem não foi diferente. Encarando o Figueirense, freguês que perdeu de cinco a zero para o Mengão no Maraca, pelo primeiro turno do brasileirão deste ano de 2008, o escrete fez um primeiro tempo emocionante, principalmente porque dominou o jogo e guardou dois gols, um aos 18' e outro aos 40', sem deixar espaço para o adversário trabalhar. Um jogo primoroso, com uma escalação que incluiu três homens jogando como zagueiros e três como atacantes. Fim do primeiro tempo.

O segundo teve outra cara. Pior para a nação rubro-negra que viu o time apático tomar um gol aos 5' e ser fortemente pressionado durante os vinte e cinco minutos iniciais. Mas pra espantar o calor do Figueira bastou fazer mais um gol aos 34'. Bola na área, toque de cabeça pro meio do bololô, Marcelinho Paraíba cabeceia pro chão, o caroço resvala no pé direito do arqueiro e sobra para o moicano Léo Moura guardar no fundo do barbante e sair pro abraço. O Flamengo ainda tomou um gol aos 47', numa jogada individual mas garantiu a vitória e os três pontos. É o que importa, diriam aqueles que comentam o futebol exclusivamente segundo a perspectiva da matemática dos pontos, aqueles que usam expressões como G-4 e outras pederastias. Daqui a pouco vão chamar a Série A de G-20 do futebol brasileiro.

Só que nesse jogo um lance, que não resultou em gol, foi mais importante do que os outros. Foi o gol que o Léo Moura não fez, chutando de dentro do grande círculo na direção do gol ao ver que o goleiro adversário estava ridiculamente adiantado. A bola subiu pouco nos céus e ao descer não tomou o rumo do gol, passando, caprichosa, a menos de um palmo da trave, o que fez o goleiro voltar correndo pro gol e cair catando cavaco, todo estabanado lá dentro do saco de barbante. De tão perto, o banco de reservas chegou a comemorar o golaço que o moicano teria feito. Mas não fez. Precisei abrir mais uma cerveja pra suportar a pressão. Aliás, tenho enchido a caveira de forma industrial durante os certames do meu time.

E o que o Léo Moura fez - sem dúvida o lance mais bonito do jogo e talvez do futebol brasileiro nos últimos meses, depois daquele come desconcertante do Robinho num defensor do Equador, em pleno Maraca - foi uma daquelas jogadas que conferem magia ao esporte bretão. Foram eternos aqueles dois ou três segundos em que a bola viajou pelo espaço. Tivesse sido mais curta a trajetória da parábola descrita pela bola... tivesse sido maior a força de atrito com o ar... tivesse sido maior o vento contra...

Que importa? Fodam-se a parábola, o atrito e o vento contra. O irreal, aquilo que não é, pode ser maior e muito mais importante do que o real, aquilo que é, exatamente por que ele alimenta o desejo de transformar o não-ser em ser, porque permite sonhar imaginando a celebração de uma glória não obtida, por que essa ilusão nos faz meninos de novo, e nos faz reis de novo, ainda que só por alguns instantes, e só dentro nós.

No vídeo, os gols do jogo, os melhores momentos e, claro, o gol que o Léo Moura não fez. Recomendo assistir com o volume zerado pra não ter que ouvir as merdas que os comentaristas cospem.

Abraços!

13 comentários:

Luiza disse...

Diego, mt bom seu texto!
Daqui a pouco te chamam pro O Globo! E, sem querer querendo, aquele que um dia sonhou em "ser jornalista assim como o Renato", vai escrever pra jornal!

Realmente o Flamengo tá fazendo a gente passar sufoco. Tenho me sentido até culpada... o Flamengo não tinha perdido até o dia do meu aniversário. Perdeu, me rachou a cara!
Agora que deu uma levantadinha, ainda não dá segurança...
Como vc mesmo citou, "bololô"... os gols que o Flamengo tem feito têm sido assim... no meio de um bololô, uma trapalhada só e... GOL!
Td bem, é gol! Mas cadê a categoria??? Por isso um lance que não resultou em gol foi o mais bonito da partida!
Na verdade, não vi o jogo de ontem. Vi agora o lance que vc falou. Ontem eu fui ao show da Roberta Sá. Conhece? Nossa, ela é uma excelente cantora. Vc deve saber disso... afinal tem mais propriedade de falar de samba do que eu.
Até que o show dela não demorou, mas eu quis esperar pra tietar! Do jogo do Flamengo, só peguei o finalzinho... o gol do Figueirense, assim que entrei no carro do Nando.
Não tô dizendo que eu tô pé-frio demais? O jogo poderia ter terminado em 3x1 se o Nando tivesse demorado um pouquinho mais pra me buscar...
Enfim... a matemática é que conta nesse G-20, né? Rsrsrsrs.
Beijos, Luiza.

Diego Moreira disse...

Luiza, minha querida!

Não guardo mais nenhuma pretensão jornalística como naqueles tempos. E hoje vejo que de jornalista o Renato tinha mais cartaz do que qualidade de texto.

Seus elogios são exagerados demais! Mas você tocou no ponto certo quanto aos gols do flamengo. Cadê a categoria? Estamos procurando essa categoria faz algum tempo. Com exceção do segundo gol do Flamengo, que surgiu de jogada bem trabalhada e do lance espírita do Léo Moura, o resto foi só bololô. E é assim que tem sido.

Agora, se a sua maré anda mais pra pé-frio, por favor não vá ao maraca pra torcer pelo Flamengo, mas se quiser comparecer pra secar o Botafogo, fique a vontade... Hahaha!

Saudades de você e do Nando!
Beijos pra vocês!

Luiza disse...

É... melhor eu ficar em casa mesmo! Nada de ir ao Maracanã! A última vez que eu fui foi pra ver o Flamengo perder pro Cabañas. Decepcionante! Inacreditável! Até o Nando, que é tricolor, sofreu naquele jogo...
A gente tem uma combinação secreta: torcer pelo time do outro qdo eles não estão se enfrentando.
Mas a verdade é que nem sempre consigo. E já peguei ele no flagra desrespeitando nossa lei...
Td bem...
Qto a secar o Botafogo, sempre!!!! O Vasco, inimigo mortal de sempre, é que tá dando uma peninha, não acha? Até torci por ele contra o Grêmio (até pq não há time mais detestável que o Grêmio!), mas como disse, ando pé-frio...
Mas não era assim... qdo eu ia ao Maraca, o Flamengo ganhava sempre! Qdo o Flamengo passava aperto, era só eu vestir minha blusa do Piu-Piu flamenguista que td se resolvia (lembra do Rodrigo Mendes, né? e do Pet chutando a bola no canto da coruja?). Mas agora, não sei o que está acontecendo!
Só sei que vou ficar no meu canto e esperar meus pés esquentarem!

Diego Moreira disse...

Tinha me esquecido completamente dessa verdade profunda. Fernando Lapa Barbosa, o garoto da Voluntários da Pátria não torce para o time de General Severiano.

Ele é tricolor.

...um cisco... disse...

Bom texto ! Fiquei lembrando de cada lance da "batalha"...rs

Bem que o narrador disse: __Se essa bola entra, estaríamos falando só desse lance até agora!

Outra coisa. Reclamei com meu pai que o flamengo estava contratando jogadores com características parecidas.Everton+Juan+Sambueza...

Meu pai, no alto da sua experiência só disse o seguinte: __Fábio, jogador bom se vira bem. Chato é juntar um monte de cabeça de bagre com característica parecida(além da pernice-de-pau)...

Enfim, que venham os bons, que o coxa detone a cachorrada e vamu que vamu !!

Abraço e parabéns pelo blog !!

Diego Moreira disse...

É isso, Fábio.

Jogador bom não tem posição. Seu pai está coberto pelo mais espesso manto da razão.

Seja bem chegado ao blog.
Abraço!

José Eduardo disse...

É isso aí meu caro. Na primeira vez em que fui ao Maracanã, ainda muito menino, me encantei com a beleza da torcida rubro-negra e fiquei maravilhado com as jogadas do camisa 10 daquele time. Por causa dele, eu e meus irmãos somos flamenguistas. Não vi mais nenhum jogador que jogasse tanto quanto o Zico, mas às vezes surgem alguns lances que poderiam ser assinados pelo nosso eterno craque. Lances como este do Leo que realmente foi uma pintura, que foi tão bonito que mesmo sem a conclusão desejada, ficara eternizado em nossas mentes de torcedores e admiradores do bom futebol.
Parabéns pelo texo está muito melhor dos que eu, de vez em quando, leio num certo jornal.
Grande abraço!
IPC: Preciso marcar para ver jogo com você. Na quarta fiquei no refrigerante.....

Diego Moreira disse...

Pois é, meu nobre cunhado!
O lance ficará eternizado mesmo! Eu não esquecerei dele. Os últimos jogos tem sido realmente bem regados. Apareça! A porta está sempre aberta!

Abração!

Eduardo Goldenberg disse...

Diego: de fato, malandro, um lance pra ficar guardado, pra sempre. Em meio à mediocridade que assola o futebol de hoje em dia, esse lance ousado do Leo Moura lava a alma de quem ama o troço, como nós. Saudações rubro-negras.

Diego Moreira disse...

E como lava a alma, malandro! E quem sabe a gente não senta um dia desses pra derrotar umas ampolas no RB enquanto o nosso rubro-negro derrota o adversário no gramado?

Saudações. Axé!

Eduardo Goldenberg disse...

Aceito! Mantemos contato por email, fechado? Escreva-me.

edugoldenberg@gmail.com

Abraço forte.

Garfield disse...

Eu tava URUBUservando o tópico e me senti obrigado a comentar. Jaílton não ajuda não..QUASE TODOS gols que tomamos foram por causa desse perna de pau. Ia ser sem dúvida um dos gols mais bonitos.
( Mas o mais bonito que já vi: Final do Carioca de 2001 - Petkovit aos 42min )
Vai pra cima deles, Mengo!
( No meu blog tem o marcador "Futebol", onde só posto textos do Flamengo. Dê uma olhada lá, prof. )
FLAbraços!

Diego Moreira disse...

João Pedro, se o Jaílton não atrapalhasse já tava bom demais...

Flabraços!