terça-feira, março 01, 2011

MUDANÇAS NO SUBÚRBIO

Os amigos mais chegados sabem que eu, depois de alguns anos morando na Tijuca, voltei para o Engenho da Rainha, o bairro onde cresci e de onde saí quando me casei, justamente para ir morar na Tijuca, bairro que eu deixei mas que não me deixará jamais.

Os motivos para a mudança são muitos e também não cabem aqui. Mas os mais chegados sabem também que minha família cresceu - e está crescendo - e que me mudei para morar a menos de cinco passos de minha mãe, a um lance de escada de minha irmã e no prédio ao lado do meu pai. Não é preciso muito esforço para entender que nós queremos que nossos filhos cresçam perto da família.

De tal forma que eu tenho circulado ainda mais pelo subúrbio e tenho visto algumas mudanças que têm me saltado aos olhos. Aquelas derivadas de implantação de políticas públicas são ainda muito primordiais porém não menos importantes. Já as mudanças derivadas da ausência de políticas públicas, ou das vistas grossas do Estado e da prefeitura são rápidas, intensas e bastante preocupantes.

Ressalto que a boa impressão gerada pelas transformações, ainda que primordiais, oriundas das políticas públicas não cobre de méritos a atual prefeitura da cidade, que, aparentemente, está fazendo apenas o mínimo que a Zona Norte merece. A boa impressão é fruto do contraste com o enorme descaso dado ao subúrbio pela dinastia de Cesar Maia, que maltratou demais essa cidade. Haja flecha pra tirar do peito do padroeiro.

O trânsito andou caótico por uma boa causa: chegou a política de asfalto liso. Não se trata de "operação tapa-buraco". O asfalto velho foi removido e as pistas estão sendo completamente recapeadas. Uma falha que se percebe é a falta de sinalização nas pistas recém-asfaltadas. Nas áreas mais movimentadas, os moradores deverão ter cuidado. A pista está "um tapete" e há marginais autorizados pelo Estado a dirigir. Outros não autorizados dirigem também.

Assinalo que apesar dos problemas, não me lembro da última vez que fizeram esse trabalho. Nenhum grande mérito, repito. É o mínimo que se deve fazer pelo menos a cada 4 ou 5 anos. Entre cada renovação, cubram-se os buracos e tá tudo certo.

Chama a atenção também a instalação em progresso de várias "clínicas da família" na Zona Norte. Em Thomáz Coelho já foi inaugurada a Clínica da Família Herbert de Souza. Vi pelo menos outras duas em construção. Uma em Del Castilho, nas cercanias do Shopping Nova América, e outra no Complexo do Alemão, perto da rua Joaquim de Queiroz, usada pela polícia como principal acesso para a pacificação realizada em novembro de 2010.

Diferente das UPAs, que são voltadas para atendimentos de emergência em suporte aos hospitais, essas clínicas estão voltadas para a saúde preventiva, permitindo a marcação de consultas e a realização de exames periódicos. Os moradores do entorno das clínicas inauguradas já estão sendo cadastrados. Posso garantir pois já bateram à minha porta. Resta saber se isso vai pra frente, se vai durar. Adianto que essa é a minha torcida.

Se a especulação imobiliária está em toda a cidade, no subúrbio ela se manifesta de forma bastante peculiar.

Sim, os preços estão subindo. No Engenho da Rainha, mais especificamente dentro do PREV - Parque Residencial da Estrada Velha - na antiga Estrada Velha da Pavuna, atual Adhemar Bebiano, era possível encontrar apartamentos precisando de obra por 50 mil reais em junho do ano passado. Os reformados saíam por preços entre 70 e 80 mil reais. Em dezembro, já se vendia apartamento completamente reformado por 110 ou 12o mil reais.

Mas o aspecto mais marcante e peculiar dessa especulação está no efeito verticalizante que ela tem sobre o espaço do subúrbio, tipicamente composto por casas e prédios pequenos. É nítido que a gestão estratégica da produção do espaço suburbano flutua ao sabor dos interesses das corporações da construção civil. Os grupos CHL, Agre e Tenda são só alguns dos que estão mandando por aqui.

Por todos os lados crescem condomínios que estão longe de compor uma política habitacional. Eles apresentam-se como ofertas do mercado imobiliário para uma classe média crescente na Zona Norte que procura moradia com estrutura de clube em pontos de localização estratégica como os que tem proximidade aos shoppings e às vias de grande circulação, como a Linha Amarela, a Linha Vermelha e a Avenida Brasil.

O pátio de estacionamento do shopping Nova América está tomado por obras que farão emergir três grandes centros comerciais. Edifícios do tipo "Office Tower", para a instalação de empresas e, provavelmente, de universidades, clínicas particulares etc. Isso a alguns passos da Linha Amarela, estando muito mais perto do Aeroporto Internacional Tom Jobim do que a Barra da Tijuca, que, por sua vez, fica perto de quem sai do Shopping Nova América.

A ocupação do Complexo do Alemão acalmou um pouco a região. Isso se percebe não só nos números da Secretaria de Segurança do Estado mas no cotidiano dos moradores da área. No entanto, todo mundo que conhece pelo menos uma pessoa que more no morro do Juramento sabe que o morro está apinhado até o topo com a turma da malandragem. Ainda não ouvi falar em nenhum movimento de implantação de UPP no Juramento, a casa do Escadinha, herdada pelo Uê, ambos falecidos. Sabe-se lá o dia que isso acaba.

Fora isso, e outros balacobacos que andam pululando por aqui, é o de sempre: a mulherada usa shortes cada vez mais curtos nesse calor; o pagode divide espaço com o pancadão na esquina; qualquer ferro velho, oficina mecânica ou supermercado falido vira igreja; e os macumbeiros continuam fechando o corpo pra brincar o cara-suja nos braços do Momo.

E é com esses que eu vou, deixando essas mal traçadas em homenagem às primaveras da minha mui amada e leal cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.

Evoé!

Um comentário:

ELZerfas disse...

É isso ai!
Também espero que estas clinicas da família cheguem em todo o suburbio, com melhor qualidade que as UPAs, contudo mantenham funcionando toda a rede municipal de saúde de forma 'organizada' onde o paciente seja bem tratado e quando receba um pedido de algum exame , que não é realizado na unidade, consiga faze-lo em outra sem precisar passar por outro medico da mesma especialidade pra dar certeza do pedido do medico anterior e ter que esperar 2 meses para realizar o procedimento...
Espero também que, apesar de não gostar desta especulação imobiliaria impropria e injusta, traga consigo o 'reforço' das politicas publicas mininas em pleno funcionamento. Assim como tambem consigamos nos organizar para os proximos eventos que estão pra vir ....